APRESENTAÇÃO

Quando comecei a escrever a Apresentação da nossa revista, um sonho há muito acalentado e acredito que será um forte canal para a divulgação do pensamento jurídico do nosso Estado, deparei-me com uma frase do filósofo grego Platão e achei oportuno citar: “Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; mas a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz”.

A luz que se traduz no conhecimento é para ser buscada incansavelmente, todos os dias, valorizada, desejada. O que seria de nós, sem o conhecimento, sem saber do que pode ou não nos prejudicar ou nos ajudar? É a luz do saber, do aprendizado, que nos orienta no caminho das incertezas da vida ou, pelo menos, nos indica um rumo a seguir. O meu desejo pessoal e, acredito que também seja compartilhado pelos brilhantes juristas que nos deram a honra de integrar o Conselho Editorial, é que esta Revista de Direito da Amazônia da nossa Escola Superior da Magistratura do Amazonas (ESMAM) se consolide, inicialmente, como uma referência do pensamento jurídico regional, e, depois, ganhe o mundo.

Heráclito dizia que nada é permanente, salvo a mudança. Que esta Revista traga para o debate as considerações necessárias para o pensar e o repensar, de forma crítica e lúcida, os elementos que fazem parte desta grande ciência que é o universo jurídico. Que “transporte” observações, estabeleça comparações sobre vários assuntos, e, sobretudo, conduza a reflexões, pois o Direito nos remete, diariamente, ao escrutínio das razões postas para a aplicação e o efetivo exercício do ideal de Justiça. A intenção, claro, é o engrandecimento dos profissionais que trabalham com o Direito. Contudo, apropriando-me de outra frase – desta vez do filósofo Aristóteles -, o conhecimento é o ato de entender a vida. No final, é exatamente disso que todos nós precisamos.

Ressalto que a Revista de Direito da Amazônia tem o objetivo de ser um efetivo canal de difusão da informação e do conhecimento jurídico, por meio da publicação de trabalhos acadêmico-científicos e técnicos, oportunizando aos magistrados, professores, palestrantes-convidados e alunos da escola (graduados), além de outros profissionais do Direito, um importante espaço de divulgação da produção intelectual e científica da nossa Amazônia.

Finalizo esta Apresentação citando uma campanha de marketing de um canal de televisão, veiculada há um tempo. Uma das peças publicitárias mencionava o seguinte: “Até hoje não se tem certeza de onde viemos. Os filósofos ainda querem entender quem somos. E existem umas 200 teorias para onde vamos. Os economistas querem explicar a crise e os cientistas, como o cérebro funciona. Como você pode ver, não são as respostas que movem o mundo, são as perguntas”.

Que a Revista de Direito da Amazônia possa nos brindar sempre com questionamentos relevantes e atuais, movendo nossa vida para muito à frente de nosso tempo.

Boa leitura!

Desembargador Flávio Humberto Pascarelli Lopes
Diretor da Escola Superior da Magistratura do Amazonas

Publicado: 2020-03-03

Editorial

Artigos